Últimas notícias

Hipertensão: um inimigo silencioso

27/08/2014

Saude-0001

Na opinião do médico cancerologista Dráuzio Varela, a hipertensão é uma doença democrática porque acomete crianças, adultos, homens e mulheres – pessoas de todas as classes sociais e condições financeiras. Uma outra característica da doença que pode ser mortal é o fato de ela, muitas vezes, não apresentar sintomas. É comum o paciente ter o problema e não saber disso. Sofrer de hipertensão ou ter pressão alta significa ter a pressão arterial sistematicamente igual ou inferior a 14 por 9. A pressão pode se elevar por motivos diversos, mas principalmente porque os vasos nos quais o sangue circula sofrem contração. Se ao bombear o sangue o coração encontrar os vasos estreitados, a pressão sobe. Sem tratamento específico, a hipertensão pode causar insuficiência renal, infarto e derrame.

Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, este mal acomete uma em cada quatro pessoas adultas e atinge 36 milhões de brasileiros dentro dessa faixa etária, participando direta ou indiretamente de 50% dos óbitos das doenças cardiovasculares. A SBH estima que 5% da população com até 18 anos tenha hipertensão. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), a hipertensão arterial é responsável pela morte de 9,4 milhões de pessoas por ano, em todo o mundo, além de estar diretamente relacionada com 45% dos ataques do coração e 51% dos derrames cerebrais.

As causas e os sintomas

O fator hereditário costuma ser determinante para que um indivíduo desenvolva a doença. De acordo com o cardiologista Luiz Aparecido Bortolotto, diretor da Unidade de Hipertensão do Instituto do Coração (Incor) e autor do livro Viver Bem com Hipertensão (Ed. Abril), cerca de 50% dos casos têm fundo genético. Mas mesmo entre esses indivíduos, o ambiente influencia bastante. Segundo o médico, se tiverem uma vida saudável, com mais atividade física e menos sal, é possível postergar o surgimento do  quadro e atenuar suas complicações. Por isso, é tão importante  conhecer o seu histórico familiar e, se houver hipertensos, não deixar de procurar orientação médica para aprender a controlar a doença.

O consumo exagerado do sal, mencionado pelo cardiologista, vem logo em seguida na lista de fatores que podem elevar a pressão arterial. Isso ocorre porque o sal atua na retenção de líquidos provocando o aumento na pressão sanguínea. De acordo com a OMS, uma pessoa deve ingerir, no máximo, seis gramas de sal ao dia. No Brasil essa média supera 10 gramas. Os níveis elevados de pressão arterial também são facilitados por: baixa ingestão de potássio, consumo excessivo de álcool, sedentarismo e alta ingestão de calorias. Geralmente a hipertensão chega em silêncio e só provoca sintomas quando está em fase avançada. Porém, algumas pessoas podem sentir dores de cabeça, alterações na visão, tonturas, zumbido no ouvido, sangramento no nariz e palpitações. O primeiro passo para reduzir a pressão arterial é averiguá-la pelo menos uma vez por ano. Essa medida deve ser tomada por um profissional experiente que siga os métodos certos e use os equipamentos adequados com a calibração correta.

Como tratar

A hipertensão não tem cura, mas deve ser acompanhada para impedir complicações. Antes de entrar com os medicamentos para tratar da doença, os médicos recomendam mudanças nos hábitos de vida. Além de aferir regularmente a pressão, recomenda-se a busca de hábitos mais saudáveis, em que haja alimentação correta e prática de atividades físicas incorporadas na rotina.

Para cuidar da hipertensão, é fundamental adotar um novo estilo de vida. Veja algumas dicas:

  • Consulte o médico regularmente: só o médico pode diagnosticar, indicar o melhor tratamento e estabelecer os ajustes periódicos necessários.
  • Confira a pressão regularmente: seja no consultório médico, em casa ou no trabalho.
  • Adote uma alimentação saudável: coma verduras, frutas e peixes. Evite alimentos gordurosos, frituras, carnes vermelhas e embutidos.
  • Reduza o sal – evite caldos, temperos e alimentos prontos; fique atento ao teor de sódio dos produtos.
  • Controle o peso – quanto maior seu peso, maior a sua pressão.
  • Faça exercícios físicos – 30 minutos de exercícios por dia, 5 vezes por semana, acumulando 150.
  • Controle os fatores de risco do coração – colesterol elevado, fumo, estresse e diabetes não controlado são inimigos do coração.
  • Tome os remédios diariamente – o uso irregular de medicamentos provoca descontrole da pressão e riscos à sua saúde.

(Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia) 

Você é 12 por 8?

A Sociedade Brasileira de Cardiologia realizou uma campanha durante o ano passado cujo propósito era fixar entre as pessoas o nível ideal para a pressão arterial, que é 12 por 8. Do mesmo modo, também foi passado o número 14 por 9, que deve funcionar como um alerta. Mas por que cruzar este limite deve ser tão preocupante quando envolve este assunto? Transpassar este limiar significa que o coração está fazendo um grande esforço para mandar o sangue para o corpo já que o líquido circula com dificuldade. Um problema tão grave que, se não for controlado, torna-se fatal.

Compartilhe: